Malha de VerĂŁo movimenta Jacutinga

Produção do município em mais de mil fábricas saltou de 220 mil peças, em 2009, para 300 mil por mês, neste ano.

JACUTINGA – A tradição das cidades do chamado Circuito das Malhas, no Sul de Minas, sempre foi a roupa de Inverno, as blusas de lĂŁ, gorros, luvas, pulĂ´veres e suĂ©teres. Mas, há alguns anos, a produção de malha retilĂ­nea vem ganhando popularidade, e a aceitação do mercado fez com que as cidades da regiĂŁo envolvidas com este tipo de confecção passassem a produzir a chamada coleção de VerĂŁo. No ano passado, a produção girou em torno de 220 mil peças por mĂŞs, contra as 300 mil peças mensais em 2010. A produção de malha retilĂ­nea das confecções de Jacutinga já atinge mais de mil fábricas, alĂ©m de 500 lojas de varejo, levando o pequeno municĂ­pio de 15 mil habitantes a responder por mais de 30% de toda a produção nacional de malharia retilĂ­nea.

De acordo com o presidente da Associação Comercial de Jacutinga, Dennys Bandeira, anos atrás, passada a euforia da produção e venda de Inverno, a cidade mostrava uma certa estagnação, as confecções praticamente paravam e muitas pessoas ficavam desempregadas no município. “Havia aquele conceito de produção de roupa de frio e, logo, as confecções iniciavam a produção para o próximo Inverno, com um período de paradeiro entre uma coleção e outra. Agora, estamos mantendo o mesmo ritmo o ano todo”, comemora, ao assegurar que 50% do parque fabril na cidade está em plena atividade em outubro e cerca de 300 mil peças estão sendo produzidas neste mês.
As confecções estão produzindo blusas leves, vestidos, shorts, saias, produtos que mesclam o tricô com tecidos leves de pano e recebem muitas aplicações diferentes, promovendo um estilo mais alegre que combine com a Primavera e o Verão.
A estilista Cecília Prado lembra que, neste ano, os tons lavados em azul, coral, amarelo e rosa estão em alta, assim como os tons pastéis e florescentes. “As estampas florais fazem a festa em peças de um ombro só, que é febre neste Verão. Tudo muito romântico, com a predominância de tecidos como o viscolycra, tricoline, flame, devoree e ribana, além de muita renda, outra sensação deste Verão”, garante. Ela ressalta ainda que, nos desfiles apresentados durante a Fashion Rio e São Paulo Fashion Week, a textura que mais ganhou destaque foi a vazada, com recortes no próprio tecido, com muito tricô, renda e tramas mais abertas. “O algodão, o linho, crochê e tricô resgataram aquele clima de natureza nas coleções”, comenta.
Máquinas a todo vapor, e as vitrines das lojas de Jacutinga começam a se encher de novidades. De acordo com Bandeira, a expectativa de negócios durante a temporada do próximo Verão é de 30% a mais que no ano passado. “Neste ano, houve um aumento substancial na quantidade de fábricas produzindo peças de Verão, e a produção saltou de 220 mil para 300 mil peças mensais”, garante.
O aumento de produção garantiu o emprego de Maria Bernadete Melo, 34 anos, que havia sido contratada para a produção de Inverno. Sua expectativa, agora, é de emendar a coleção de Verão com a do próximo Inverno e manter o emprego. “Acho que gostaram do meu trabalho”, comemora.

Fonte: Mg1